terça-feira, 22 de setembro de 2015

Shopping Sul e Prefeitura de Valparaíso de Goiás promovem o “Agita Shopping Sul”

A primeira edição do projeto tem por objetivo a inclusão social e o fortalecimento da cidadania. Serão oferecidos serviços gratuitos à população, sem contar as lojas com ofertas imperdíveis 

Foto: Paulo Roberto.

Brasília, 22 de setembro de 2015 - No período de 25 a 27 de setembro, Valparaíso de Goiás recebe o “Agita Shopping Sul” – evento recheado de serviços gratuitos à população (a exemplo do Ação Global), além de ofertas imperdíveis nas lojas do maior shopping center do Entorno Sul do DF. Promovido pelo Shopping Sul, em parceria com a prefeitura do município, o evento acontece das 14h às 19h.

Com o objetivo de atender às necessidades dos moradores da região, a primeira edição do projeto atenderá clientes com ações de cidadania e de direitos essenciais a todos. “A marca de nosso evento serão as ações sociais, embora todas as lojas estejam repletas de ofertas para crianças, homens e mulheres de todas as idades”, garante Felipe Ribeiro, superintendente do Shopping Sul.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

CHOQUE DE GESTÃO: Rollemberg anuncia medidas para retirar o DF da crise

Medidas administrativas, decretos e projetos de lei foram pensados para assegurar o pagamento integral dos servidores públicos neste ano e regularizar as contas em 2016

Foto: Olivar de Matos

Diante do fato de mais da metade da receita corrente líquida do Distrito Federal ter sido destinada ao pagamento de pessoal (50,8%), o governo é obrigado a adotar providências de redução de custos na folha dos servidores e eliminar o porcentual excedente. Isso deve ser feito até abril do ano que vem, dois quadrimestres fiscais após o Executivo local superar o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar Federal n° 101, de 2000).

As medidas são necessárias não só para restabelecer os limites toleráveis da lei, mas também cumprir o que determina o artigo 169 da Constituição Federal. O corte de 20% dos cargos em comissão, por exemplo, obedece à Carta Magna. No momento em que o País atravessa uma grave crise financeira, o governo de Brasília tem recorrido a financiamentos a fim de executar obras e outros investimentos. Caso não consiga retornar, no mínimo, ao limite prudencial da LRF (46,55%) nos próximos oito meses, pode não ter mais empréstimos externos e internos avalizados pela União.