Mostrando postagens com marcador Goiás. Mostrar todas as postagens

     

Foi-se o tempo em que o marketing de varejo era considerado essencial somente para as grandes empresas. Graças aos constantes avanços da tecnologia, as ações para alcançar, impactar e convencer o público a querer conhecer o seu produto se tornou muito mais fácil, atrativo e barato. O que antes ficava restrito a somente os CNPJs que tinham condição de arcar com campanhas publicitárias de alto custo em TVs, rádios, sites, outdoors, hoje, com as redes sociais, plataformas de vendas online e de interação, proporciona ao pequeno e médio empreendedor, melhores oportunidade de vendas.

As ações voltadas ao marketing têm alcance ampliado com a digitalização de processos e com os avanços conquistados pela tecnologia, que nada mais é o caminho que leva os varejistas rumo a este objetivo: compra, onde especialistas seguem o que chamam de 4Ps que, juntos, formam marketing mix: produto, preço, praça e promoção, onde se trabalhados de forma correta, compõem a estratégia de marketing perfeita para o varejo.  Com a popularização da internet, o varejo precisou alterar as ações de marketing por dois motivos principais: acompanhar a velocidade do mercado e atender às expectativas e necessidades de um consumidor reinventado.

Mas, assim como todos os outros nichos da sociedade, essa percepção mudou devido a pandemia. A ideia segue até hoje, com um adicional importantíssimo: a tecnologia. Prova disso é que, dos mais de 8.200 profissionais de marketing entrevistados pela Salesforce entre maio e junho deste ano em 37 países (incluindo o Brasil), mais de 80% afirmou que a pandemia mudou a maneira de as marcas alcançarem o público e impactou suas estratégias de engajamento digital. Os dados fazem parte do relatório Global State of Marketing, que foi publicado pela empresa em novembro de 2021. 

Diante disto, e com toda a transformação digital que não parou um só dia, fez com que novas soluções fossem criadas para poder conhecer e convencer o novo perfil consumista da sociedade, e aí que entram as tendências de apostas do marketing de varejo para 2022,  onde alguns pontos cruciais necessitam de atenção quando a marca quer aproveitar o boom digital para crescer. 

Nesta lista, as tendências passeiam tanto pelo que as grandes empresas estão apostando, quanto pelas ferramentas e ações que pequenos e médios empresários podem promover. Contudo, o mais importante aqui é ajudar você a despertar uma sensibilidade em sua forma de pensar, para poder traçar estratégias e ideias inovadoras para o ano que se aproxima. 

A ascensão do vídeo


Do YouTube ao TikTok – passando pelos Reels e pelas lives, o vídeo ganhou relevância durante a pandemia. Este foi o canal de marketing que mais cresceu ao longo do último ano, seguido pelas redes sociais e anúncios digitais. A importância de investir em conteúdos de vídeo se dá pela interação e humanização do seu produto, algo que hoje é muito valorizado pelos clientes, visto que muitas ações perderam o ar de "natural''. 

Omnishopper

Se a forma de consumo mudou, o shopper também mudou. Ainda mais com vários novos estímulos gerados pelo marketing de varejo, online e offline. Hoje, as pessoas estão em busca de novas experiências e para isso elas precisam ser alcançadas com conteúdos e sugestões criativas. Atualmente, muitos consumidores estão atrás e valorizam os mais diversos modelos de compras, então porque não apostar estar presente e fazer um bom conteúdo em plataformas de compras coletivas, redes sociais, e-commerce, ações físicas em locais urbanos, aliadas a interatividade online com QR Codes com descontos espalhados por vários locais, entre outras ideias. 

Inteligência artificial 
É a capacidade que a máquina possui de tomar decisões inteligentes com base em opções preestabelecidas, sem precisar da interação humana. É um trabalho em conjunto com o machine learning: o sistema é abastecido constantemente com um banco de dados, podendo assumir funções que antes eram desempenhadas por pessoas. 

Aqui o destaque fica por conta das redes sociais e plataformas que oferecem a você a possibilidade de poder fazer um “anúncio pago”, para poder alcançar novas pessoas. A partir desta ação, a inteligência artificial vai passar a avaliar qual melhor usuário ela vai poder entregar a sua publicidade, a partir de uma avaliação do que ela pesquisa, onde ela está, o que costuma comprar, entre vários outros critérios para poder ser assertivo na hora da entrega. Você quer um exemplo? 

Quando os programas de assinatura on demand como Netflix e Spotify fazem sugestões de filmes, seriados e músicas de acordo com suas preferências e histórico de visualização, tenha certeza de que existe big data por trás de tudo isso.

Realidade aumentada 

Lembra do Pokémon Go? É um ótimo exemplo de realidade aumentada, também conhecida como RA. Ainda pouco explorada pelo comércio brasileiro, a realidade aumentada ainda é uma grande oportunidade para você se diferenciar e sair na frente dos seus concorrentes. Por exemplo, já imaginou poder provar uma roupa e vê como ela fica no seu corpo, mas sem sair de casa? Esse é um dos atrativos da realidade aumentada, onde a partir de uma foto ou câmera você pode ter essa experiência, que inclusive, linka com o que falamos agora a pouco no ítem Omnishopper.

Metaverso 

O metaverso, universo virtual, promete ser "o novo capítulo da Internet". Sua proposta é espelhar o mundo real no ambiente virtual, onde as pessoas poderão interagir por meio de avatares 3D e a partir de tecnologias como realidade virtual e aumentada. Há pouco mais de duas semanas, o Festival Curta Brasília, realizou sua segunda mostra de curtas em seu metaverso, onde os usuários andavam por salas de cinema, e podia escolher qual filme assistir, qual debate participar, além de ler cartazes e sinopses de filmes, algo muito semelhante ao que fazemos quando vamos no cinema. Agora, já pensou em poder andar pela sua loja favorita onde a estrutura, as araras com roupas e até mesmo uma atendente vai estar lhe atendendo, mas de forma virtual? Pois, é, esse é um grande exemplo do que esta tecnologia visa explorar e o varejo já está de olho em como viabilizar isso. 

Por: Amanda Oseki, professora do curso de pós-graduação em marketing da Estácio Brasília

 


 3ª edição do evento acontece de 7 a 11 de dezembro e a programação trará atividades especiais para as mulheres do ecossistema de inovação 


O Brasília Innovation Week ganha mais uma edição em dezembro, e será, de 7 a 11 de dezembro, no Biotic - Parque Tecnológico de Brasília. O evento visa fomentar o surgimento de novos negócios, fortalecer os projetos locais e conectar os atores-chave do ecossistema de inovação do Distrito Federal e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE). 


A iniciativa integra o projeto Startup Brasília 2030 (SB2030), realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e executado pela Associação das Startups e Empreendedores Digitais (Brasil Startups). A participação é 100% gratuita e as inscrições podem ser confirmadas no site: https://bit.ly/eventos-brasilstartups.


"O Brasília Innovation Week é mais uma oportunidade de capacitação, geração de networking e troca de experiências que oferecemos aos nossos empreendedores para que possam se desenvolver e dar mais um passo para o desenvolvimento de negócios de impacto",  afirma o diretor-presidente da FAPDF, Marco Antônio Costa Júnior.


Na nova edição marcada para dezembro, o empreendedorismo feminino será um dos destaques da programação e as atividades incluem: pitch com três startups lideradas por mulheres; mentoria com Victória Porto; painel do ecossistema de startups com cinco mulheres participantes e meetup com Ludmila Barros, que terá como tema “Mulheres do Brasil”. 


A diretora da Brasil Startups, Tatiana Marques, celebra o aumento da participação feminina nos últimos anos. Ela cita a própria estrutura da entidade organizadora do evento, que atualmente conta com mais mulheres do que há oito anos. 


De acordo com a diretora, no DF, poucas startups contam com fundadoras ou com CEOs mulheres à frente dos empreendimentos. A ideia é mudar essa realidade e ampliar a participação feminina, não só no Brasília Innovation Week, mas também em outras ações previstas no projeto Startup Brasília 2030. 


“Iremos ofertar dentro do projeto 45 capacitações, sendo livre a participação, e vamos fazer incentivos para que as mulheres se apropriem de todas as oportunidades existentes no mercado. Assim como também vamos buscar mapear startups que tenham mulheres na liderança para que sejam apresentadas para investidores, entre outras iniciativas, e para colocar em evidência as mulheres do nosso ecossistema”, ressalta.   


Além das atividades voltadas para esse público, a diretora reforça que nesta edição o potencial feminino também estará em evidência nas apresentações, isso porque 70% dos palestrantes e mentores convidados pela organização serão mulheres.


Durante a terceira edição do evento ainda será lançada uma comunidade para mulheres empreendedoras. A intenção, de acordo com a diretora da Brasil Startups, é pensar em soluções em conjunto para fortalecer e incentivar a participação feminina no ecossistema. O grupo, que está previsto para ser criado no dia 11 de dezembro, ainda terá a missão de mapear as iniciativas existentes e, também, viabilizar a criação de um programa próprio para apoiar as empreendedoras. 


Mais destaques da programação - O Innovatour Investor está de volta na 3ª edição do evento. A ação coloca uma van à disposição para investidores e atores principais do ecossistema possam visitar startups, coworkings e projetos sediados em Brasília, além de outras atividades promovidas pelos parceiros. Como parte da programação, haverá, ainda, um workshop sobre “como se tornar um investidor no segmento de startups”, ministrado por mentores da pela Cotidiano Aceleradora de Startups (C.O.T.I). A atividade é gratuita e as vagas são limitadas. 


Mais uma vez, a programação inclui mentorias e workshops com profissionais experientes na área e meetups no estilo happy hour com a participação de atrações musicais, tudo para propiciar o networking e fomentar novas parcerias e o surgimento de novos negócios. Alguns dos temas abordados nas mentorias nos quatro dias de evento serão: Como aumentar o Valuation da sua Empresa/Startup; Como encantar e criar marketing de propósito (Case Disney) e Mentalidade Financeira - Ajustando o financeiro da sua empresa.

A programação contemplará, entre outras agendas, um espaço dedicado às Edtechs, no dia 10 de dezembro, das 15h30 às 19h30, e Nathália Kelday falará, às 17h, sobre “Impactos da Edtechs no futuro dos alunos”.

Escola do Futuro - O Brasília Innovation Week terá uma agenda voltada para o Projeto Retina, iniciativa que visa desenvolver a integração entre a comunidade escolar e o ecossistema de tecnologia e inovação. A ação faz parte do programa “Escolas Inovadoras”, criado pela Secretaria de Educação e financiado pela FAPDF para transformar o ambiente escolar e contribuir para a formação do projeto de vida dos estudantes. 

Durante o evento, estão previstas atividades on-line, no dia 10 de dezembro, das 19h às 21h, e no dia 11 de dezembro, das 9h às 11h45. Serão apresentações e uma série de roda de conversa com educadores e estudantes da Escola Técnica de Ceilândia para tratar sobre a educação do futuro. Espera-se que, a partir do Retina, os estudantes beneficiados possam participar de jogos, hackathons e Demo Days. O protótipo de inovação será implementado, no próximo ano, a partir de um curso ofertado pela escola

Experiência de valor - Após a realização de duas edições do evento, com uma programação intensa e variada, empreendedores locais celebram a iniciativa, que coloca no mesmo espaço os principais atores do ecossistema, e ainda gera oportunidades para o desenvolvimento e rentabilidade dos negócios. 


Laylla Toledo, neuropsicóloga, psicopedagoga, cientista de dados e founder da Healthtech e-Sinapse, participou das duas primeiras edições, de forma on-line na primeira, e presencial, na segunda. A empreendedora conta que o evento propiciou a oportunidade de criar conexões estratégicas, como a aproximação com players do setor público, com isso a solução da e-Sinapse poderia alcançar ainda mais pessoas. 


A startup de Laylla, a e-Sinapse desenvolve uma solução voltada para telerreabilitação cognitiva para pessoas com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC) e problemas de aprendizagem. Após ser selecionada no programa Start BSB da FAPDF, a solução deve chegar em breve ao mercado.


Entusiasta do ecossistema de inovação, o founder e CEO da startup Legislapp, solução de monitoramento da atividade legislativa voltada para profissionais de Relações Governamentais, Luar Faria elogia a iniciativa e o local escolhido para sediar o evento. Para ele, o BIOTIC representa um pólo promissor para o desenvolvimento de novas tecnologias.


O empreendedor participou do Demo Day durante a segunda edição do Brasília Innovation Week, e a presença no evento gerou novas conexões e perspectiva de negócios no futuro. O CEO ainda pontua que o cenário da pandemia do coronavírus trouxe novos desafios para os empreendedores, e a volta de eventos presenciais se mostra um caminho importante para fomentar negócios inovadores. “Iniciativas como o Brasília Innovation Week parece ser como aquela janela com sol radiante que se abre para o ecossistema de startups e empreendedores de Brasília”. 


Saiba mais sobre o projeto Brasília Startup 2030 no site: brasilstartups.org

Serviço

O quê: Brasília Innovation Week - 3ª edição

Quando: 7 a 11 de dezembro.

Onde: Parque Tecnológico de Brasília – BIOTIC, Lote 4,Granja do Torto, Brasília/DF

Horário: 7 a 9 de dezembro, das 16h às 21h, 10 de dezembro, das 15h30 às 21h e 11 de dezembro, das 9h às 12h

Inscrições e programação: https://bit.ly/eventos-brasilstartups

 


 

Plataforma 100% brasiliense, Oddie vai empoderar os profissionais autônomos e simplificar relacionamento com clientes

Você é um exímio bombeiro hidráulico e sabe que nos arredores tem muita gente às voltas com canos estourados, mas simplesmente não sabe o que fazer para ser encontrado por quem precisa de seus serviços. 

Ora, esse provavelmente é o dilema de boa parte dos mais de 60 milhões de trabalhadores autônomos brasileiros, em sua maioria prestadores de serviço que dependem de uma carteira de clientes para prover a família: esse contingente soma 13,7 milhões de desempregados e 37,1 milhões na informalidade segundo os dados da última PNAD do IBGE, e 10,6 milhões de microempreendedores individuais segundo os dados do último Mapa de Empresas do Ministério da Economia.

É pensando nessa massa de trabalhadores que ainda não usa as ferramentas disponíveis no mundo virtual a seu favor, que um grupo de empreendedores brasilienses do setor de startups lançou, nesta segunda-feira (29), a Oddie (pronuncia-se como pagode), uma plataforma gratuita que ambiciona ser a ferramenta digital do profissional autônomo brasileiro, e, de quebra, fomentar o ecossistema de inovação no Distrito Federal.

“A Oddie chega com a proposta de simplificar o relacionamento entre clientes e profissionais por meio de funções que agilizam a execução de tarefas para ambas as partes. O ineditismo desta plataforma está em conectar, gratuitamente, profissionais de um jeito eficiente e rápido”, explica Daniel Alano, cofundador da Oddie. “É a ferramenta perfeita tanto para profissionais que estão começando a se inserir no mercado de trabalho, quanto para quem já tem um vasto currículo e experiência”, completa.

Diferenciais - Totalmente gratuita, amigável, fácil de usar, aproveitando as funcionalidades da rede social mais popular entre os brasileiros (o WhatsApp), a Oddie vai empoderar os trabalhadores autônomos ao colocá-los na vitrine da Internet sem custos nem intermediadores. 

Em três minutos e por meio de um questionário baseado em inteligência artificial, o profissional vai poder criar seu perfil, adicionar sua experiência, habilidades e fotografias de seus trabalhos, similar ao LinkedIn. De bônus, ele ganha uma ferramenta de self-marketing, pois o sistema Oddie vai gerar um cartão de visitas que fica disponível on-line e é compartilhável por WhatsApp. 

“Os negócios poderão ser fechados via WhatsApp de uma forma direta e funcional, já que é a rede mais usada por esses profissionais”, garante o cofundador da startup.

De acordo com Daniel Alano, qualquer prestador de serviço - seja “marido de aluguel”, professor particular ou doceira, somente para citar alguns -, poderá ingressar e se beneficiar da plataforma, inclusive aqueles que já são empreendedores individuais inscritos no MEI. “Será um ambiente para a divulgação de prestadores de diversos tipos de serviços. A plataforma não possui nicho específico e os profissionais ainda poderão sugerir outras opções não previstas no nosso banco de dados”, reforça.

Além de possibilitar que profissionais sejam vistos e contatados, a Oddie vai agregar, futuramente, ferramentas que facilitam a vida da pessoa interessada em contratar – como verificação de antecedentes, reservas e agendamentos, gerenciamento dos contratos, soluções e sistemas de pagamento.

“Para os profissionais cadastrados na Oddie, nossa previsão é de, em breve, disponibilizar plataformas verticais para a melhoria de vida do trabalhador como educação contínua, mercados de descontos, benefícios e empréstimos. Estamos criando o Super-App do trabalhador brasileiro”, ressalta Alano.

Investimento estrangeiro - Outro ponto que merece destaque é a captação de investimento estrangeiro feito pela Oddie. Em torno de US$ 1,1 milhão estão sendo aplicados na execução da ferramenta, recurso proveniente de fundos de investimento e investidores anjos.

“Conseguimos levantar esse recurso lá fora, o que mostra a importância de se tentar solucionar os problemas reais dos trabalhadores informais brasileiros e empoderá-los”, finaliza Alano.

Serviço:

O que: Lançamento da Oddie, ferramenta digital do empreendedor brasileiro.

Quando: 29/11/2021 (segunda-feira)

Para se cadastrar como prestador de serviço na plataforma, acesse oddie.com.br/trabalho

    

  O 14º Salão do Artesanato, na área externa do Pátio Brasil, reúne artesãos de 26 estados e do Distrito Federal. A entrada é gratuita! 


Até domingo (31/10), os brasilienses poderão conhecer as culturas regionais do Brasil a partir do artesanato. O 14º Salão do Artesanato reúne artesãos dos 26 estados da federação e do Distrito Federal, para ressaltar a importância da diversidade da produção artesanal no país.  Com o tema "Raízes Brasileiras",  o objetivo desta edição é "valorizar os traços da cultura popular na arte feita pelos artesãos". O evento acontece na área externa do Pátio Brasil Shopping,  das 10h às 22h. A entrada é de graça!  


Ao todo, haverá exposição de mais de 40 mil peças artesanais, estimulando o consumo de produtos artesanais e o conhecimento das histórias e culturas locais. Após quase dois anos sem perspectivas, a artesã sergipana Márcia Mendes, comemora a oportunidade de expor suas rasteirinhas de crochê. Para ela, o evento carrega uma importância imensurável. “A gente pode estar expondo as nossas peças, não só para venda, mas como forma de divulgação do nosso trabalho. Ainda mais depois de uma pandemia de quase dois anos com os artesãos sem perspectiva de vida. Essa importância é imensurável”, conta. 


A ideia é promover, anualmente, um ambiente que reúna o melhor da produção artesanal do Brasil, preservando a cultura nacional e estimulando o artesão a manter sua identidade cultural, possibilitando a troca de experiências e técnicas para a valorização da renda de várias famílias envolvidas na produção.  Serão realizadas rodadas de negócios com dezenas de lojistas nacionais e também com possíveis internacionais, ampliando as possibilidades de vendas e renda dos artesãos participantes. Será viabilizada a troca de experiências entre artesãos de várias regiões, com oficinas e palestras, onde diferentes técnicas e matérias primas são mostradas e ensinadas.


Instagram: Ateliê Márcia Mendes


Texto: Thalyta Guerra



 


App YOURB foi desenvolvido pela holding brasiliense Grupo Oliveira, e chega com a proposta de democratizar e equilibrar os lucros dos motoristas com repasse fixado a 88% por corrida 


Há pouco mais de sete anos os brasileiros são grandes adeptos dos aplicativos de mobilidade urbana. A tecnologia desenvolvida possui um modelo de negócio estruturado e rentável, que trouxe grandes benefícios sociais e econômicos para o país: primeiro porque promoveu a geração de empregos informais, principalmente para os autônomos e pessoas desempregadas que tiveram a oportunidade de se tornarem motoristas a partir do uso de seu próprio carro como forma de trabalho. Segundo pela comodidade, conforto e segurança aos usuários que se deslocam diariamente. 


Inicialmente essa rentabilidade era boa para ambos: motoristas e aplicativo, contudo devido às constantes evoluções de crises financeiras ao redor do mundo e principalmente no Brasil, o repasse do valor por corrida aos trabalhadores foi começando a diminuir e, o que antes era de 80 a 90% por viagem, atualmente encontra-se entre 65 a 70%. Somando-se aos aumentos de combustível e impostos, eis que a precarização das condições de trabalho dos motoristas vinculados aos aplicativos de transporte veio à tona e, em cadeia, prejudicou a todos que necessitam do serviço. 


Com esse panorama, o Grupo Oliveira, detentor de diversos empreendimentos em Brasília como redes de academias, churrascarias e restaurantes, observou uma oportunidade neste ramo do mercado, a partir de um aplicativo com taxa fixa e justa de repasse aos motoristas, além de viabilizar uma prestação de apoio aos trabalhadores. 


A partir de estudos e pesquisas sobre a atual realidade dos aplicativos de mobilidade urbana, o grupo decidiu investir em programadores e desenvolvedores de softwares para criar o YOURB. 


“Nossa vontade de investir neste ramo se deu pelo grande número de motoristas e usuários insatisfeitos com os aplicativos atuais. De um lado, temos os clientes com dificuldades em conseguir encontrar um carro para fazer a corrida. Do outro, os profissionais que não conseguem lucrar com as corridas devido aos custos crescentes no país e baixo repasse das empresas. Com isso, decidimos investir em um aplicativo que chegasse para democratizar e equilibrar essa balança”, explica Roberto Oliveira, CEO do Grupo Oliveira. 


O YOURB 


O aplicativo de mobilidade urbana foi desenvolvido pelo Grupo Oliveira, a partir do conhecimento e experiência de um ex-motorista que se especializou em tecnologia da informação e programação, junto com mais dois amigos. 


De acordo com Walter Lima, Luiz Carlos e Paulo Henrique, envolvidos no desenvolvimento do YOURB a ideia começou a sair do papel há pouco mais de 10 meses, tendo como objetivo ser um aplicativo de motorista para motorista, a partir das necessidades e relatos que vivenciaram e ouviram. Para isso, eles reuniram um grupo com mais de 70 motoristas para ouvi-los e colocar as ideias em prática. 


“Como estamos nas ruas, percebemos as dificuldades e trouxemos essas melhorias para os usuários e motoristas. Entre os serviços nós implantamos o contato direto com o operador para relatar possíveis problemas na plataforma, a assistência de monitoramento a cada viagem, parcerias para descontos com manutenção do carro e da gasolina, assim como a possibilidade das mulheres em escolherem fazer corrida só com mulheres, então esse nosso aplicativo é de motorista para motorista, estamos muito esperançosos”, explicam. 


O app apresenta um modelo de negócios ousado, no qual fixa sua taxa de repasse de corrida para os motoristas a 88%, tendo a retenção de apenas 12% para a empresa. A proposta também investiu na prestação de apoio para os profissionais, entre elas a parceria com postos do DF, que vão dar o aporte de até R$ 0,30 de desconto por litro de gasolina, atendimento humanizado, descontos em planos de saúde e odontológicos, tecnologia para o rastreio dos carros cadastrados, a liberdade para motoristas e usuários mulheres poderem escolher seguir corrida somente entre elas, e o clube de benefícios. 


“Enxergamos que o YOURB tem grande potencial para trazer muitos benefícios para os brasilienses, principalmente para a categoria dos motoristas, com uma geração de renda justa a partir de um repasse honesto. Outro ponto muito importante se dá por sermos uma empresa local, o que favorece nosso trabalho perante o poder público, abrindo as portas para criarmos um bom relacionamento e apresentarmos os questionamentos, as necessidades e deficiências da categoria, a fim de melhor, resguardar e conquistar ainda mais direitos para esses profissionais”, conta Roberto Oliveira.

 


Série de eventos vai promover conexões no mercado e agitar empreendedores do DF e RIDE de 27 a 30 de outubro 

Entre os dias 27 e 30 de outubro, será dado o pontapé inicial da série de eventos do Brasília Innovation Week, que integra o projeto Startup Brasília 2030 (SB2030), realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e executado pela Associação das Startups e Empreendedores Digitais (Brasil Startups).


A proposta é unir os mais diversos atores do ecossistema por meio de ações que promovam mais interações entre os stakeholders, capacitem os empreendedores e ofereçam ambientes propícios para a inovação aberta. Serão realizados três eventos presenciais até o final deste ano. A primeira semana da série está agendada para ocorrer nesta semana, das 14h às 21h, no BIOTIC – Parque Tecnológico de Brasília (DF).

Durante os quatro dias de evento, os empreendedores terão a chance de conhecer projetos desenvolvidos no Distrito Federal e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE), fazer networking e negócios estratégicos diretamente com investidores, além de participar de capacitações direcionadas aos cinco drives que correspondem às áreas de atuação tecnológica das startups. A participação é 100% gratuita e as inscrições podem ser confirmadas no site: https://bit.ly/eventos-brasilstartups.

“O projeto Startup Brasília 2030 é uma iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente. Para conseguir realizar essa tarefa e mudar a matriz econômica e de desenvolvimento da capital federal, enxergamos nas startups atores essenciais, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, afirma o diretor-presidente FAPDF, Marco Antônio Costa Júnior.

A programação foi elaborada para startups em todos os níveis de maturidade: curiosidade, ideação, operação e tração; investidores e possíveis investidores; atores do ecossistema; universidades; prestadores de serviços; e representantes do governo e projetos contemplados pela FAPDF. 

“Em cada um desses eventos vamos promover a união de vários players do mercado para proporcionar melhores experiências, maior engajamento  e conexões entre eles, além de gerar ainda mais valor para as startups e os negócios da região”, afirma Hugo Giallanza, presidente da Brasil Startups. “Será uma semana de aprendizados, conexões e oportunidades em um ambiente com múltiplos eventos para startups e empreendedores”, acrescenta.

O evento conta com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-DF), Centro de Operação, Talento e Inovação operado pela Cotidiano Aceleradora de Startups (C.O.T.I) e BIOTIC – Parque Tecnológico de Brasília (DF).


Como parte das ações previstas no projeto Brasília Startup 2030, durante o Innovation Week também será construído o Manifesto do Ecossistema do Distrito Federal e RIDE, uma declaração pública de intenções, motivações e visões das lideranças e stakeholders da região. O documento vai manifestar a visão e os desejos dos atores-chave, o que deve aumentar o apoio das lideranças empresariais e governamentais e atrair mais empreendedores. 




Programação - O evento prevê, em cada dia, mentorias temáticas, painéis, visitas técnicas para conectar startups a investidores, meetups em formato de happy hours e com a presença de um palestrante, além de outras atividades promovidas pelos parceiros. Os mentores são profissionais ligados à Brasil Startups, C.O.T.I, Sebrae, entre outros parceiros. 


Durante as agendas diárias, também serão realizados os “innovatours Investor”, que serão visitas técnicas promovidas a startups sediadas em Brasília. O tour, que será realizado em vans, visa conectar os participantes a investidores tradicionais, atores-chave e startups em fase inicial.  Ao todo, mais de dez startups serão visitadas pelo grupo nos quatro dias de evento. 


A programação do Brasília Innovation Week ainda contará com os meetups, que irão encerrar todos os dias de evento, em formato de happy hour, com a presença de um palestrante. O objetivo é gerar networking e negócios estratégicos, além de proporcionar conteúdos relevantes para os participantes e fortalecer os cinco drives que correspondem às áreas de atuação tecnológica das startups.


“Trata-se de uma excelente oportunidade para apresentação dos principais projetos, iniciativas e atores chaves, com objetivo de conhecer todas ações que têm ocorrido em Brasília e analisar como elas têm colaborado com o nosso ecossistema”, afirma Tatiana Marques, diretora da Brasil Startups e coordenadora de drive de inovação do Startup Brasília 2030. “Também vale ressaltar que mentorias mensais gratuitas também serão oferecidas pela Brasil Startups aos participantes dos eventos”, completa.

"A Brasília Innovation Week é mais uma oportunidade de capacitação, geração de networking e troca de experiências que oferecemos aos nossos empreendedores para que possam se desenvolver e dar mais um passo para o desenvolvimento de negócios de impacto",  acrescenta o diretor-presidente da FAPDF. 

O que são os drives? – O projeto Startup Brasília  2030 irá atuar em cinco drives de inovação. São eles: Edtech (startups que atuam na área de educação e que incorporam o uso da tecnologia nos métodos de aprendizagem ou no gerenciamento das instituições), Fintech (startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro), Healthtech (startups que desenvolvem tecnologias para otimizar o sistema de saúde e tudo a ele relacionado), Socialtech (startups que garantem que a revolução tecnológica produza um impacto social positivo) e Govtech (startups que tem como propósito gerar inovação para a gestão pública e auxiliar na economia de recursos públicos através de soluções tecnológicas). 

“O projeto Startup Brasília 2030 é uma iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente. Para conseguir realizar essa tarefa e mudar a matriz econômica e de desenvolvimento da capital federal, enxergamos nas startups atores essenciais, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, acrescenta o diretor-presidente da FAPDF. 

Em novembro, de 17 a 20 de novembro, a programação terá algumas iniciativas voltadas para mulheres, adianta a diretora da Brasil Startups. “A ideia é realizar eventos de soluções rápidas para fortalecer a presença das mulheres no universo empreendedor”, explica. 


Saiba mais sobre o trabalho da Brasil Startups em: brasilstartups.org/sobre

Veja a programação completa do Brasília Innovation Week: https://bit.ly/eventos-brasilstartups.

 


Com a iniciativa, a Estácio vai engajar seus alunos em prol de ações ambientais e socioeconômicas sustentáveis, com lives, palestras e debates abertos para toda comunidade 

 

Sustentabilidade em foco! Até o dia 1 de outubro a Estácio promove a 9ª Semana de Sustentabilidade e Responsabilidade Social. Este momento é ideal para promover ações relacionadas às três dimensões sustentáveis: ambiental, econômica e social. Neste ano, ainda por conta da pandemia da Covid-19, todas as iniciativas estão sendo estimuladas pelos organizadores para acontecerem por meio da internet, como palestras e debates on-line e lives, entre 9h e 18h. O evento gratuito será aberto a todos os alunos e ao público externo. Confira a programação nos sites dos respectivos campi da Estácio. As unidades que cadastrarem suas atividades no portal da ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior) irão receber o selo de Instituição Socialmente Responsável.    

 

“O objetivo da Estácio ao promover essa iniciativa é despertar o interesse de nossos alunos e colaboradores para causas sustentáveis. Enquanto instituição de ensino superior temos a missão de educar além do que tange à formação acadêmica, engajando o aluno em ações que impactem a sociedade, nas mais diversas atmosferas: do meio ambiente ao socioeconômico, contribuindo de forma consciente para um futuro melhor", destaca Claudia Romano, vice-presidente de Relações Governamentais, Comunicação e Sustentabilidade da Estácio.

 

O termo “mudanças climáticas” se refere às mudanças de longo prazo que vem sendo observadas e projetadas em diversas variáveis climáticas, tais como padrões de precipitação, temperatura e vento. Essas mudanças decorrem tanto de fatores antropogênicos (isto é, causados pelo Homem) quanto por fatores naturais e ocasionam uma ampla variedade de efeitos em diversos aspectos dos sistemas geofísicos, naturais e humanos. O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), órgão das Nações Unidas responsável por produzir informações científicas, afirma que há 90% de certeza que o aumento de temperatura na Terra está sendo causado pela ação do homem.  

 

Confira a programação do campus Estácio Brasília 

 

terça-feira (28), às 19h 

Desenvolvimento com práticas acessíveis 

 

quarta-feira (29), às 9h 

Avanços e desafios em sustentabilidade no Distrito Federal 

 

quinta-feira (30), às 18h30 

Papel da responsabilidade socioambiental de uma empresa 

 

Oficina presencial - Os caminhos das comidas: pensando e construindo os circuitos alimentares 

 

sexta-feira (1), 18h30 

Mudanças global do clima: na interface entre ciência, gestão e política 

 

19h30

Empreendedorismo e marketing no desenvolvimento sustentável; 

 

Serviço:   

Evento - 9ª Semana de Sustentabilidade e Responsabilidade Social  

Data - De 27 de setembro a 1º de outubro  

Horário - entre 9h e 19h30  

CLIQUE AQUI E VEJA MINA CASA, MINHA VIDA VALPARAISO

Tecnologia do Blogger.